20090910

iceberg

Eu lampejo pelas esquinas e aos outros com a sensação de estar sendo refugiado do espaço e do tempo, de quando eles, no esconderijo, se acoplaram e fizeram amor repentinamente, sem dor alguma, sem cor escuta: um ardor cicuta de temor. Um eu vigor de coragem e covardia afronta um incêndio cuspido do vácuo. Asco. Plástica devastação de cabelos embaraçados, para criados mudos que apóiam páginas. Não sei se minhas, se delas, se vossas; se tosses minhas unhas pelas entranhas dos peixes de água doce, não há muito que eu possa comparar: eu, para mim, sou apenas um trejeito sem jeito algum para coisa alguma, restando toda a vigilância sanitária e a erradicação dos erros que o resto comete, à minha outra. O nosso resto, o nosso enfatizado sonho. A concentração do desapego foi mutilada por sua vontade de viver. Pelo apelo que me fizestes, lhe deixei dizer coisas que jamais diria, então aquietei duas coordenadas atravessadas pelo travesseiro amarelado pela nicotina mais densa e pelo sangue envelhecido. Tive que querer morrer para reavivar os mais sinceros sentimentos e querer destruir tudo novamente. No mais básico dos instantes incoerentes, mantive sua silhueta erguida sem conseguir nenhum pingo de reflexo, nem fragmentos quebrados de um espelho em espasmos. A sua maior dúvida era a origem do tremor: da congelante brisa que trespassava seu olhar, da indiscreta chance que acarretava seu andar, ou da simples força que me mantinha de pé?, quando nós resolvemos nos preparar para uma divisão de bens e males, entre nós mesmos e a água que encharca as janelas dessas pessoas que se amontoam, eu vi, minha lágrima e meu sorriso, por estar vibrando pela vibração. Esse caminho de areia que percorrem os pés definitivos e oblíquos. Me perdi para que pudesse encontrar o que há de mais belo em mim. Há um tanto de você, que não sei quem na verdade se diz. Tudo é fuga e água, e alguns detalhes grãos de areia de mim.

3 comentários:

Mesa 27 disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Fabricio Teixeira disse...

"Esse caminho de areia que percorrem os pés definitivos e oblíquos."

Me encontrei aqui.

É bom poder encontrar um pouco de si nos outros. Afinal, é pra isso que estamos aqui, não é?

Cá Cipullo disse...

Coisa tão linda, caramba, é muito orgulho. Já disse que me vejo em ti, né?

"Tudo é fuga e água, e alguns detalhes grãos de areia de mim."

Te amo